E O OUTONO CHEGOU – Boletim nº 150

O monge Anselm Grun diz que as estações que vemos se suceder na natureza são uma espécie de lição que nós podemos assimilar para adquirir consciência de nossa própria finitude. O ciclo de nascimento, crescimento, amadurecimento, envelhecimento e morte se repete nos seres humanos, nas plantas e nos animais.

Assim como cada estação do ano é plena de significado, do mesmo modo cada fase da vida tem importância. Em cada uma delas é bom viver o que àquela fase corresponde. Encarar sua fase de vida correspondente à sua verdade. Quem se atém a sua idade permanece vigoroso.

Eu aproveito esse comparativo dos ciclos da vida com as estações da natureza nos meus cursos de Preparação para a Aposentadoria. Qual estação da natureza corresponderia a fase da aposentadoria? Considero esta observação importante pois percebo, nos meus trabalhos, que muitas pessoas que já poderiam se aposentar, ou estão próximas da aposentadoria, adiam sua aposentadoria em função dos medos do novo, do desconhecido, de não saber o que fazer e como ocupar as horas que até então dedicam ao trabalho.

A ansiedade e os medos, na verdade, muitas vezes são motivados por uma visão errônea da aposentadoria, como se correspondesse ao inverno da vida, ou seja, velhice, recolhimento, quietude, silêncio, fim da vida ativa, esquecendo-se que entre o verão (fase dedicada mais ao trabalho profissional) e o inverno (velhice), existe o outono da vida.

Assim como o outono é a estação dos frutos, da diversidade de cores e da colheita, a aposentadoria corresponde ao momento da colheita, de usufruir do que se semeou durante o verão.

Segundo Anselm Grun, o outono é a fase do amadurecimento, da reorientação e da busca de um ressignificado para a vida que não pode consistir apenas em realizações exteriores. É quando o caminho vai lentamente de fora para dentro, para o mundo interior. É quando nossas árvores ficam carregadas e temos o que oferecer.

Que neste outono possamos transformar flores em frutos, onde o mais fundamental é transmutar os valores do ter, do poder, do parecer, para os valores do ser e transparecer.

Um fraternal abraço e até o próximo artigo.

Armelino Girardi

Palestrante e consultor em desenvolvimento de pessoas, criador e mantenedor do portal www.desaposentado.com.br e da escola virtual www.eadesaposentado.com.br

Deixe uma resposta