Relacionamento humano é vital – Boletim nº 154- Junho 2017

Afirmamos que os relacionamentos que uma pessoa mantém são vitais, não em sentido figurado. Perdê-los correspondem a perder a saúde, e, no limite, no caso extremo, é muito grave, corresponde à morte. Os relacionamentos afetam também a unidade familiar. Estão estreitamente ligados à preservação e existência da família, que é o núcleo de maiores e mais estreitas conexões. As conexões estão para a família, como a argamassa, que junta os tijolos, está para uma construção de um prédio.

Não sou médico, mas sou muito responsável pelo que escrevo, com base em mais de três décadas dedicadas ao serviço de ajuda à família e seus relacionamentos, experiência acumulada em paralelo com dedicados estudos e aprendizado prático.

A afirmação de que os relacionamentos são vitais para a saúde da pessoa tem respaldo em amplas e confiáveis fontes. Por exemplo. O Dr. Edward Hallowell, médico psiquiatra, escritor, palestrante sênior da Escola de Medicina de Harvard, em seu livro “Os 12 laços vitais”, diz: “Na verdade, hoje está cientificamente comprovado que o isolamento social leva à morte”; “Não só indivíduos prosperam com o poder da conexão: as empresas e outros tipos de instituição também. Hoje em dia, cada vez mais as empresas procuram conservar os seus bons funcionários, e a melhor maneira de fazer, isto é, criando um clima de conexão no ambiente de trabalho.”; “Como Psiquiatra, vejo a desconexão humana hoje gritando na minha direção com a urgência de um corpo esvaindo-se em sangue, no meio da rua.”

O que o Dr. Hallowell chama de conexão, estamos chamando, neste artigo, de relacionamento. Os relacionamentos humanos são construídos com dedicação, esforço e fundados em alguns valores. Esta construção, como dito acima, é vital para a vida e para a qualidade de vida. Para quem crê em Deus, elas vão muito além, são transcendentes.
Os valores a serem exercitados na construção prática dos relacionamentos, são, por exemplo:

O respeito incondicional da dignidade própria e do outro, seja ele quem for. (Este não é um desafio simples, mas é fundamental); nenhum ressentimento pode ser preservado, sem gravíssimos danos para os relacionamentos consigo mesmo e também com os outros (eliminar ressentimentos é fundamental. O recurso é o perdão. Às vezes é muito difícil. Para alguns pode parecer até impossível, mas seus resultados são simplesmente maravilhosos); fechar-se no silêncio fere de morte a relação consigo e com os outros, principalmente quando não se deixa conhecer em sua afetividade pelos mais próximos. (Você corre o risco de tornar-se como uma bomba, prestes a explodir e causar danos difíceis de serem reparados). O contrário do fechar-se é ser aberto e transparente, comunicar a sua afetividade, compartilhar. E quando estes sentimentos forem muito fortes, é preciso saber compartilhar sem ferir os outros como culpados. (Este exercício é necessário e não é fácil, mas relacionamento se fundamenta na transparência da pessoa);

A comunicação não verbal revela, às vezes, mais que a comunicação com palavras. Ela é de grande importância na construção de relacionamentos. Ela é presencial. Sem a presença física perde grande parte de sua força. É olho no olho. Nesta forma de comunicação presencial, às vezes, as palavras são até desnecessárias. (É preciso aprender sobre esta forma de comunicação relevante para todos os relacionamentos). Isto tudo é diálogo.

Tem outros valores a serem exercitados e aprendidos para se edificar os relacionamentos que são vitais, para a pessoa, para a família e para a vida social. Não dá para tratar, em boa profundidade, destes desafios em um breve artigo. Mas podemos dizer que na era das comunicações, muita gente vai morrendo no isolamento. Crescem as doenças mentais, em grande medida, pela escassez e fragilidade dos relacionamentos.

Cada um é, ao menos em parte, responsável pelos seus relacionamentos.

Fico feliz se estas poucas linhas servirem, de algum modo, para desafiá-lo a cuidar de si mesmo, cuidando de seus relacionamentos. Estou seguro de que os beneficiados serão muitos, além de você mesmo.

João Bosco Lugnani
Professor aposentado e voluntário em trabalhos na Pastoral Familiar

1 Resposta para“Relacionamento humano é vital – Boletim nº 154- Junho 2017”

  1. Márcia Regina Olavo diz:

    Olá João,
    vc foi impecável em suas colocações. Obrigada pela dica de mais um livro lindo, tenho a certeza. Realmente, somos um com o todo, e fazemos parte da grande energia que mantém todos conectados. A vida é aqui e agora é poder vivê-la é o grande presente. Relacionamentos saudáveis cada vez mais, para sermos cada dia mais belos como o todo.

Deixe uma resposta